Publicidade

Publicidade

O Namorador ou A Noite de São João, de Martins Pena
setembro 21st, 2010

O Namorador ou A Noite de São João, de Martins Pena

Martins Pena é um dos fundadores do teatro e da comédia do Brasil. Sua obra é escrita no período do Romantismo, suas obras escapam do movimento, procurando apresentar soluções realistas para a vida cotidiana. O Namorador ou A Noite de São João é uma peça teatral em um ato publicada em 1845.

No
O Juiz de Paz na Roça, de Martins Pena
setembro 21st, 2010

O Juiz de Paz na Roça, de Martins Pena

O Juiz de Paz na Roça foi a primeira obra de Martins Pena a ser representada. A história mostra uma família da roça e o dia a dia de um juiz de paz que explora a simplicidade e inocência das pessoas. A peça abordava com humor o jeito das pessoas que moravam na roça no … Read more

No
Os Irmãos das Almas, de Martins Pena
setembro 21st, 2010

Os Irmãos das Almas, de Martins Pena

Um das comédias mais popular de Martins Pena, Os Irmãos das Almas mostra a história de uma família em que a mulher e a sogra mandam no marido. A história ainda tem elementos de superstição que vão ajudar o marido a se impor dentro de casa.

1
As Casadas Solteiras, de Martins Pena
setembro 21st, 2010

As Casadas Solteiras, de Martins Pena

As Casadas Solteiras conta a história de duas irmãs que se apaixonam por dois ingleses, mas não tem a aprovação do pai para o casamento. A trama gira em torno do cômico, como vários textos de Martins Pena.

No
Quem Casa, quer casa , de Martins Pena
setembro 21st, 2010

Quem Casa, quer casa , de Martins Pena

Martins Pena é escritor do Romantismo Brasileiro e escreveu em 1845 Quem Casa, quer casa. A trama aborda as divertidas confusões de uma família. Martins Pena deixa de lição que é necessário maturidade para se constituir uma família.

No
O Noviço, de Martins Pena
setembro 21st, 2010

O Noviço, de Martins Pena

O Noviço trata da história de um casamento por interesses. Recheado de ironias, Martins Pena revela os bastidores da sociedade burguesa do século XIX. O autor ainda critica com ironia e humor os falsos moralistas, os políticos e religiosos, além do preconceito e hipocrisia constante na sociedade.

No