Publicidade

Publicidade

A igreja do diabo, de Machado de Assis
setembro 21st, 2010

A igreja do diabo, de Machado de Assis

A Igreja do Diabo, de Machado de Assis é dividido em quatro contos. Em Histórias sem data, os personagens principais são Deus e o Diabo e a relação dos dois com o homem, a religião e a razão. Durante a discussão, o Diabo questiona a hipocrisia religiosa e as práticas salvacionistas.

No
Os retirantes, de José do Patrocínio
setembro 21st, 2010

Os retirantes, de José do Patrocínio

Os retirantes foi publicado por José do Patrocínio em 1889. O romance conta a história do povo nordestino do Brasil que sofria com a seca. Durante sua vida o autor foi farmacêutico, orador e jornalista.

No
Mota Coqueiro ou a Pena de Morte, de José do Patrocínio
setembro 21st, 2010

Mota Coqueiro ou a Pena de Morte, de José do Patrocínio

Mota Coqueiro ou a Pena de Morte é um romance de José do Patrocínio editado em 1877. Ele narra de forma romanceada a história do fazendeiro Manuel da Mota Coqueiro, apelidado de Fera de Macabu e condenado injustamente à morte em 1852. Na história, o autor cria o personagem chamada Herculano que, em seu leito … Read more

No
A campanha Abolicionista, de José do Patrocínio
setembro 21st, 2010

A campanha Abolicionista, de José do Patrocínio

José do Patrocínio foi farmacêutico, jornalista e orador. Entre suas obras escritas estão A campanha Abolicionista, uma série de textos publicados em jornal que foram reunidos em um só livro.

No
Senhora, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

Senhora, de José de Alencar

Senhora foi publicado em 1875 por José de Alencar. O romance pode ser considerado uma das obras primas do autor e uma das principais da literatura brasileira. Seu foco está centrado no casamento burguês e como ele se baseia no interesse financeiro. Pode ser considerado precursor do Realismo.

No
O que é o casamento, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

O que é o casamento, de José de Alencar

O que é o casamento é uma comédia de quatro atos feita em 1861 por José de Alencar. O autor foi jornalista, político, advogado, orador, crítico, cronista, polemista, romancista e dramaturgo brasileiro.

No
O Garatuja, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

O Garatuja, de José de Alencar

O Garatuja é a primeira de uma séria de crônicas dos tempos coloniais escritas por José de Alencar. O autor foi jornalista, político, advogado, orador, crítico, cronista, polemista, romancista e dramaturgo brasileiro.

No
Mãe, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

Mãe, de José de Alencar

Mãe foi escrito por José de Alencar e lançado em 1860, mesmo ano em que morre o pai do autor. A história de quatro atos se passa no Rio de Janeiro, em 1855. Nela é contada o drama de um homem que vende sua escrava para ajudar um amigo com problemas financeiros.

No
Diva, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

Diva, de José de Alencar

Diva foi publicado em 1864 e pertence aos romances urbanos escritos por José de Alencar. Nessa obra o autor faz uma análise e um retrato da sociedade Fluminense do século XIX, enquanto faz uma investigação psicológica da personagem principal da história. Emilia, que é a filha mimada de um rico capitalista do Rio de Janeiro … Read more

No
Ao correr da pena, de José de Alencar
setembro 21st, 2010

Ao correr da pena, de José de Alencar

Essa história foi a estréia de José de Alencar na literatura brasileira, em setembro de 1854. Aos 25 anos, o primeiro número da série Ao correr da pena, publicado no Correio Mercantil, abriu as portas do Diário do Rio de Janeiro, onde o autor continuou escrevendo.

No